fbpx

Sem concurso há 26 anos, defasagem na Vigilância Sanitária do DF trava setor produtivo e ameaça vida do cidadão. Fecomércio pede auxílio do GDF

Há 26 anos sem concurso, a Vigilância Sanitária do Distrito Federal está com um déficit crítico de funcionários que ameaça a economia da cidade e a vida do brasiliense. A área de fiscalização em atividades urbanas é uma das que apresenta maior comprometimento. A falta de servidores interfere na atuação em bares, restaurantes, hospitais, farmácias, salões de beleza e quase todas as atividades produtivas. Hoje, o DF conta com 140 fiscais para prestar esse serviço. Na parte de aprovação de projetos de arquitetura, o órgão possui apenas um funcionário, o que provoca atrasos de até 270 dias para a abertura de uma empresa de alto impacto. Em fevereiro deste ano, mais de 1,4 mil empreendimentos aguardavam a aprovação de seus projetos para entrar em funcionamento, o que atrasa a geração de empregos, onera ainda mais o empresariado e compromete o desenvolvimento de Brasília.

Ciente da urgência do assunto, o presidente da Fecomércio-DF, Francisco Maia, encaminhou um documento para o governador Ibaneis Rocha com uma análise da situação e sugestões para destravar a Vigilância Sanitária. “Essa realidade é um risco para a sociedade e para o setor produtivo. Sem fiscalização, pode-se criar um ambiente de concorrência desleal, com uma situação que nem o setor econômico e nem a sociedade desejam”, afirma Francisco Maia. Ele explica que o objetivo da Fecomércio é auxiliar o GDF a encontrar uma solução. “O governo do DF tem conhecimento da situação e entende que essa é uma prioridade, tanto que o governador Ibaneis já colocou a questão como uma meta dos 100 dias de governo”, diz Francisco Maia. O documento da Fecomércio foi entregue nesta quinta-feira (28) pelo segundo vice-presidente da entidade, Antonio Tadeu Perón, e pelo conselheiro da Federação, Rogério Tokarski, ao secretáriochefe da Casa Civil, Eumar Novacki.

Perón afirma que o GDF entende a urgência do assunto. “Neste momento o governo do DF tem uma dificuldade para ampliar o quadro, mas eles entendem a urgência da situação”, destaca. “É uma questão urgente pois acaba atrapalhando o desenvolvimento do comércio. Muita das vezes o empresário quer abrir, comercializar, empregar e desiste por conta da falta de funcionários da vigilância”, salienta Perón. O presidente da Fecomércio-DF, Francisco Maia, lamenta que um órgão tão importante, que está no cotidiano de milhares de pessoas, esteja desde 1993 sem concurso. Atualmente o Distrito Federal é a unidade da Federação com a menor proporção, em relação à população, de servidores da Vigilância Sanitária de todo o Brasil, conforme demonstra o Censo Nacional de Trabalhadores em Vigilância, realizado pela Anvisa, em 2004, e atualizado em 2015. O estudo mostra que o Rio Grande do Norte conta com 665 profissionais de fiscalização, seguido por Alagoas (568), Piauí (451), Mato Grosso (531), Mato Grosso do Sul (431) e Sergipe (439).

O diretor da Vigilância Sanitária do DF, Manoel Neto, destaca que a fiscalização é o parâmetro da qualidade para qualquer segmento. Sem fiscalização, lojas podem operar de qualquer jeito, sem nenhum padrão. “O empresário que segue a norma quer a fiscalização, pois ele é onerado por isso”, destaca Manoel. “O cidadão dorme e acorda com a vigilância sanitária, tudo passa por nós, medicamento, hotéis, bares, supermercados e até o cemitério são alvos da fiscalização da vigilância. É uma dimensão enorme, que sem profissional, prejudica demais o objetivo do órgão”, ressalta o diretor.

Já em relação ao atraso da aprovação dos projetos, Manoel explica que não é por conta de uma má vontade do órgão, mas sim pela falta de pessoal, o que acaba impedindo um trabalho mais ágil. O conselheiro da Fecomércio-DF, fundador e proprietário da rede de farmácias de manipulação Farmacotécnica, Rogério Tokarski, também destaca que a vigilância é um órgão de extrema importância para o funcionamento do setor farmacêutico e para diversos outros segmentos econômicos da cidade. “Precisamos de uma concorrência sadia, pois temos muitos empresários irregulares que não são fiscalizados, atrapalhado o comércio. Outro ponto é a questão da aprovação de projetos arquitetônicos: tem empresa que faz tudo certo, começa a pagar o aluguel para funcionar, mas não pode abrir por falta de aprovação. É inacreditável, mas essa é a realidade no DF”, explica Tokarski.

A falta de profissionais atrapalha até mesmo a exportação de alimentos para fora do País. Segundo o gerente da vigilância, Gustavo de Lima, o Distrito Federal vende produtos para o Estados Unidos, Europa e outras localidades, mas as operações estão sendo afetadas diretamente por falta de servidores para a fiscalização dos alimentos. “Hoje, temos apenas quatro profissionais de nutrição para avaliar as mercadorias para exportação. Além desse trabalho, eles são responsáveis pela auditoria de restaurantes, bares e lanchonetes de toda a cidade”, destaca Gustavo.

Na Justiça

Em 2015, o Tribunal de Justiça acatou ação civil pública movida pelo Ministério Público, motivada pelo baixo efetivo na área, e determinou, em caráter liminar, que o Distrito Federal realizasse o concurso público para auditor de vigilância sanitária, em até 60 dias. O GDF recorreu por diversas vezes da decisão até chegar ao Supremo Tribunal Federal (STF), onde está esperando uma brecha na agenda para ser avaliado. “A necessidade de fazer o concurso já é visível, inclusive aprovado para o orçamento deste ano, com decisão judicial favorável. O que falta, na prática, é apenas licitar uma empresa para organizar a prova”, disse o diretor da Vigilância Sanitária do DF, Manoel Neto. “A decisão judicial ressalta a necessidade da contratação de 100 profissionais, mas precisamos por volta de 160 de agentes de fiscalização”, completa.

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de política de cookies e  para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher os tipos de cookies que permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.