Por Francisco Maia
Presidente do Sistema Fecomércio-DF (Fecomércio, Sesc, Senac e Instituto Fecomércio)

“A política não é dirigida contra um país ou uma ideologia, mas contra a fome, a pobreza, o desespero e o caos.” Assim o general George Marshall, na manhã do dia 5 de junho de 1947, pronunciou essa frase, como Secretário de Estado americano do presidente Truman. Era a apresentação do projeto da estabilização política e econômica dos países da Europa Ocidental, devastada pela segunda Guerra Mundial: o Plano Marshall, um plano de 18 bilhões de dólares, para doações e empréstimos. Tivemos também uma guerra mundial, contra um inimigo invisível: o vírus Covid-19, que infectou a economia e a vida, mas o destino foi outro.

A iniciativa do governo federal em nossa crise econômica foi diferente do exemplo histórico da recuperação da Europa. No último mês de março as autoridades brasileiras, timidamente lançaram a ideia de um programa de retomada da economia. O ministro Paulo Guedes começava a viver uma contradição em suas convicções econômicas. A administração financeira liberal, onde o Estado não interfere na iniciativa privada, teria que atender a aflição dos empresários, com recursos da União. Esse discurso era dirigido ao Brasil legal, não ao país real. As 9 milhões de micro e pequenas empresas que existem são responsáveis por 27% do PIB, produto interno bruto, mas basicamente o comércio e serviços continuam sem assistência. As portas do crédito se abrem com juros impagáveis e para os empresários, o remédio é veneno. A oferta de 600 reais à população absolutamente excluída é uma longa novela, comparável às filas na porta dos bancos.

A sociedade aprendeu uma dura lição que é preciso transmitir àqueles que a governam. As péssimas condições de saúde pública, saneamento e exclusão econômica foram cúmplices nessa tragédia. Deixou mortos para enterrar, famílias sem proteção e empresários que choram projetos destruídos. Tudo aquilo que chegou como remédio, deve ficar como um alimento permanente, para um país que teima em se desenvolver.