fbpx

Comércio segue fechado e situação dos pequenos negócios preocupa. Fecomércio busca soluções com o GDF

As medidas de isolamento social no DF foram prorrogadas até o dia 3 de maio. A decisão foi publicada na quarta-feira (1), em edição extra do Diário Oficial. De acordo com o GDF, a medida visa a conter a proliferação do novo coronavírus na capital federal. Isso significa que o comércio ficará fechado por mais um mês. Entre as novidades está a reabertura das praças de alimentação para atendimento nas feiras permanentes da cidade, seguindo as recomendações necessárias, como a distância de dois metros entre os clientes. Museus, academias, boates, shoppings centers, bares e restaurantes e outros segmentos vão ter que manter as portas fechadas.

O presidente da Fecomércio-DF, Francisco Maia, diz que a maior preocupação da Federação é com o pequeno negócio, que precisa se planejar para conseguir chegar até o final da crise. Ele explica que a entidade está ciente da dificuldade e está mantendo diálogo com o governo e com as secretarias para amenizar o problema para o comércio. “A dificuldade será enorme. Estamos prevendo mais impactos nos setores de comércio, serviços e turismo da cidade”, diz. Apesar das dificuldades, Francisco Maia informa que a Federação está trabalhando para amenizar os efeitos negativos na economia e mantendo diálogo constante com o GDF. “Temos conseguido um diálogo muito positivo. Solicitamos que alguns setores fossem abertos, como as praças de alimentação das feiras, que foi um pleito nosso, e o governo atendeu. Também estamos realizando pesquisas e tentando viabilizar uma melhora para o empresário nesse momento”, explica.

Segundo Francisco Maia, a situação é muito complicada e difícil, mas a solução, no sentido de dar segurança para a população, é adotar medidas de contenção do vírus. “O GDF está seguindo as ordens da Organização Mundial da Saúde. Acredito que é necessário também um projeto para que a economia volte ao normal o mais rápido possível, os empresários estão se sentindo desamparados”, conclui o presidente da Fecomércio-DF.

Já o presidente do sindicato que representa bares, restaurantes e hotéis da cidade (Sindhobar), Jael Antonio da Silva, diz que o tempo de vida estimado para um estabelecimento da área sobreviver sem receita é de no máximo 15 dias. Ele explica que será um caos. “Com o decreto até o dia 3 de maio, são 45 dias fechados, já que delivery e takeout não segura ninguém”, diz. Jael reclama da falta de medidas que possam ajudar o empresário, que segundo ele, terá que fechar as portas. “Nenhuma medida foi tomada até agora para sustentar os empreendimentos. Temos que começar a pensar nisso. Uma ideia é que os estabelecimentos funcionem com 50% da capacidade e que todos os funcionários façam teste para o vírus”. Sobre a arrecadação de impostos, o setor de bares e restaurantes é um dos maiores responsáveis pela arrecadação do governo. “Só no ano passado foram cerca de R$ 6 bilhões. O próprio GDF estima um prejuízo de R$ 2 bilhões para este ano”, informa.

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de política de cookies e  para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher os tipos de cookies que permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.