fbpx

Pesquisa sobre mulheres empreendedoras é apresentada na CNC

A pesquisa Mulheres, Empresas e o Direito 2019 mostra que o Brasil pode melhorar em quatro indicadores: capacidade das mulheres de escolherem os empregos que quiserem; capacidade de retornar ao trabalho após ter filhos; empreendedorismo feminino; e a capacidade de receberem pensão em relação à benefícios concedidos pelo governo ao trabalhador. Essa foi a conclusão de estudo do Banco Mundial, apresentado no primeiro Seminário Mulheres, Empresas e o Direito – Uma Visão Internacional Comparada. O encontro ocorreu na sede da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), na tarde desta segunda-feira (12), em Brasília.

O presidente da Fecomércio-DF, Francisco Maia, participou da mesa de abertura do encontro, representando o presidente da CNC, José Roberto Tadros. Maia apontou que a primeira Câmara lançada na sua gestão foi a de mulheres empreendedoras e gestoras de negócios, exatamente pela força da mulher e pela importância que ela exerce na sociedade. “É muito gratificante para nós, da CNC e da Federação do Comércio, participar deste evento com parceiros de destaques, que sempre estão envolvidos nas causas que promovem o desenvolvimento econômico e social do país”, apontou.

A diretora do Banco Mundial para o Brasil, Paloma Anós Casero, ressaltou que as questões de gênero são um dos principais temas de interesse da instituição financeira, pois está na missão do banco erradicar a pobreza extrema e construir uma prosperidade compartilhada. “O estudo mostra que, na última década houve grandes avanços em direção à igualdade de gênero na lei. Em 131 países, ocorreram 274 reformas de leis e regras conducentes ao aumento da igualdade de gênero”, destacou Paloma.

Também participaram da mesa de abertura: a procuradora Geral de Justiça, Fabiana Costa Oliveira Barreto, representando o ministro da Justiça, Sérgio Moro; a secretária Nacional de Justiça, Maria Hilda Marsiaj; a coordenadora dos Projetos de Empreendedorismo Feminino do Sebrae Nacional, Renata Malheiros Henriques; e a coordenadora da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara dos Deputados, deputada federal, Celina Leão (PP).

Já a presidente da Câmara das Mulheres Empreendedoras da Fecomércio-DF, Beatriz Guimarães, agradeceu as empresárias e as instituições parceiras no encontro.”Pode levar três ou quatro anos, mas vamos trabalhar para fazer uma legislação em prol do empreendedorismo feminino”, declarou Beatriz.

A advogada especialista em direito da mulher do Banco Mundial, Paula Tavares, apresentou a pesquisa Mulheres, Empresas e o Direito 2019, e destacou que o Brasil pode melhorar em quatro indicadores, mas como ponto de partida, pode se concentrar em dois destes: Recebendo Remuneração e Empreendendo. “O país pode atingir uma pontuação perfeita em Recebendo Remuneração, introduzindo um dispositivo na legislação que garanta igual remuneração para o trabalho de igual valor”, destacou. “Da mesma forma, o País pode alcançar uma pontuação perfeita em Empreendedorismo com a introdução de uma cláusula de não-discriminação com base no gênero no acesso ao crédito”, disse.

Depois a coordenadora dos Projetos de Empreendedorismo Feminino do Sebrae Nacional, Renata Malheiros Henriques, apresentou o levantamento: Mulheres Empreendedoras no Brasil. Segundo ela, os desafios ao empreendedorismo feminino ainda são enormes, mas importantes conquistas já foram alcançadas. “As mulheres já representam 50% dos novos negócios no país. E é mais difícil empreender quando se trata de mulheres, e os motivos são basicamente culturais”, explicou.

Para finalizar o encontro, foi apresentado o painel: Legislação e Mulher – Agenda para a próxima década. A deputada Celina Leão realizou a abertura do painel. A coordenadora do Sebrae Nacional, Renata Malheiros Henriques, foi a moderadora. Participaram do debate: a presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB-DF, Nildete Santana de Oliveira; o deputado federal Luiz Miranda (DEM); a Diretoria de Promoção de Políticas de Justiça da Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça, Mariane Cortat Campos Melo; a secretária da Mulher do Distrito Federal, Ericka Filippelli, e a diretora executiva da SPOT Pessoas e Resultados, Caroline Borges.

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de política de cookies e  para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher os tipos de cookies que permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.