fbpx

Intenção de Consumo das Famílias (ICF) apresenta em julho a quinta queda consecutiva

O indicador Intenção de Consumo das Famílias (ICF), apurado mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), passou de 91,3 para 89,8 pontos em julho, registrando recuo de 1,7% em relação a junho. A queda do ICF, em comparação com o mês anterior, vem acontecendo desde março e é a quinta consecutiva, refletindo as dificuldades enfrentadas pelas famílias brasileiras para manter o padrão de vida.

“O consumidor segue cauteloso, condicionado pelo nível de endividamento e pelo mercado de trabalho, em que o desemprego vai se mostrando persistente”, avalia o presidente da CNC, José Roberto Tadros. “O cenário econômico pode melhorar no segundo semestre, com a aprovação da reforma da Previdência, mas é preciso avançar nas medidas que vão destravar a economia, como a reforma tributária e iniciativas como a MP da Liberdade Econômica. É isso que vai permitir a retomada dos investimentos e a criação de emprego e renda, capazes de romper o atual ciclo”, complementa.

Embora o indicador apresente alta de 5,5% em relação a julho de 2018, todos os componentes do ICF apresentaram taxas negativas, situação equiparável à do período de crise econômica em 2015-2016. No acumulado de 2019, a taxa, que encerrou o primeiro semestre zerada, agora está em patamar negativo, de -1,7%.

A pesquisa verificou que a retração aconteceu em todo o País. As maiores quedas ocorreram no Nordeste (-2,4%) e no Sudeste (-2,2%). A maior variação negativa foi identificada nas famílias cujos ganhos atingem mais de dez salários mínimos, registrando -2,9%.

Momento para Duráveis e Perspectiva de Consumo

O subindicador Momento para Duráveis registrou a maior variação negativa, de -3,8%, evidenciando que as famílias não se sentem confiantes em adquirir este tipo de bem, cujas características dependem do crédito, da prestação dentro do orçamento e da confiança para o pagamento futuro.

Outro subindicador que contribuiu fortemente para derrubar o ICF foi Perspectiva de Consumo, de -3,2%, demonstrando que as famílias estão cautelosas. A situação não se apresenta favorável para o setor do comércio, uma vez que as vendas podem diminuir diante de um quadro de menor propensão ao consumo.

Renda Atual e Emprego Atual

As sucessivas quedas do ICF evidenciam que o endividamento das famílias torna a conjuntura de recuperação econômica mais difícil. Se no cenário de escassez de crédito os juros pouco cedem, as empresas acabam adiando investimentos e o desemprego vai se mostrando resistente em diminuir.

Em julho, os subíndices Renda Atual e Emprego Atual variaram -0,6%, mostrando que os orçamentos domésticos podem não estar dando conta das despesas e que as expectativas quanto ao emprego ainda não são tão promissoras.

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de política de cookies e  para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher os tipos de cookies que permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.