fbpx

Falta de civilidade

por acm

Hoje, foi um boneco inflável. A réplica do tatu-bola, mascote da Copa do Mundo de 2014, teve a sua estrutura destruída a facadas em plena Esplanada dos Ministérios, coração da capital federal. Ontem, os vândalos depredaram o Memorial JK, o Museu do Índio e o Museu Histórico de Brasília, para citar apenas alguns dos monumentos que já tiveram as suas paredes pichadas. Qual será a agressão de amanhã?

Anualmente, o governo local gasta milhares de reais para limpar bens públicos pichados, como muros, escolas, pontes, viadutos, passagens subterrâneas e paradas de ônibus. Na telefonia, estima-se que todos os meses mais de 120 orelhões são destruídos. No comércio, a situação não é diferente. Um giro pela W3 Sul, pelo Setor Bancário ou pelo centro de qualquer região administrativa do Distrito Federal é suficiente para constatar a ação criminosa dos vândalos.

Começa assim a banalização da violência, quando passamos a aceitar atos de menor poder ofensivo. A situação se torna crítica quando nos tornamos indiferentes a qualquer tipo de agressão. Parece que quanto mais convivemos com a violência, mais ela se torna comum, a ponto de não surpreender mais ninguém. Na verdade, trata-se de uma crise de valores. Por isso, é bom que se reafirme: o vandalismo não é um protesto. É um ato criminoso, expressão de raiva e ódio, que merece ser punido, de acordo com a lei.

Nas últimas décadas, em um fenômeno de velocidade assustadora, o vandalismo tem se confundido com a violência indiscriminada. Jovens de diversas classes sociais passaram a achar normal e, por incrível que pareça, até divertido, agredir seres humanos. Pessoas em situação de vulnerabilidade, como moradores de rua, garotas de pro-grama, deficientes, idosos, gays e integrantes de outras minorias são atacados constantemente em todas as cidades brasileiras.

Ainda me lembro com clareza do crime bárbaro cometido contra o índio pataxó Galdino Jesus dos Santos, queimado em uma parada de ônibus de Brasília, e a justificativa desprezível dada pelos seus agressores. “Que iríamos dar um susto nele, era só uma brincadeira”, disseram os criminosos.

Esse tipo de comportamento doente, como se observa, não é um problema de ricos ou pobres. Essa violência decorre da impunidade e da mais profunda falta de educação, no sentido amplo do termo.

Viver em sociedade requer respeito ao próximo, às diferenças e, sobretudo, à vida. É preciso educar as crianças ainda cedo para que aprendam a ser solidárias e preservem esses valores. Quanto a nós, devemos cobrar das autoridades punição exemplar para aqueles que destroem patrimônio público ou privado e para aqueles que co-metem agressões de qualquer natureza. Quando a vida perde o sentido, resta muito pouco ou quase nada a se fazer.

Publicado originalmente no Jornal de Brasília 05/10/2012,

Brasília, 15 de outubro de 2012

Adelmir Santana Presidente do Sistema Fecomercio-DF

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de política de cookies e  para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher os tipos de cookies que permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.