Em prol do trânsito seguro

Após modernizar o setor e instalar com sucesso as novas tecnologias no processo de obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), o Sindicato dos Centros de Formação de Condutores de Veículos Automotores do Distrito Federal (Sindauto-DF) visa conseguir uma parceria com a nova direção do Detran-DF para garantir, cada vez mais, um trânsito seguro na capital da República. O presidente da entidade, Francisco Joaquim Loiola, informa que o sindicato tem trabalhado para ajudar as empresas e os consumidores a terem uma melhor experiência em todo o processo de habilitação do motorista.

Entre as realizações recentes da entidade está a participação efetiva na implantação do simulador de direção durante o processo de habilitação do condutor, por meio do qual o aluno pode reproduzir situações como ultrapassagem, mudança de faixa, direção com chuva e manobra em marcha à ré a partir de um software moderno e fácil de usar. Dessa forma, assim como a biometria, instalada para evitar fraudes no sistema de registro de horários de chegada e a saída do aluno e ainda a telemetria, tecnologia que acopla um sistema de GPS nos veículos para garantir a aplicação correta das aulas. Na opinião de Francisco, as tecnologias moralizam o setor de autoescolas no DF. Segundo ele, as novidades vieram para beneficiar a categoria e o aluno, complementando o processo de habilitação.

Francisco destaca ainda a decisão de passar as aulas de direção noturnas, que antes eram obrigatórias, para o simulador. Segundo o presidente do sindicato, esse foi um ganho enorme para as autoescolas. “O simulador de direção tem o modo noturno, o que facilitou a substituição das aulas no carro. As aulas noturnas obrigatórias eram ruins, em ambientes perigosos, tínhamos vários registros de assaltos, essa mudança foi mais no sentido de segurança”, informa Francisco.

Mesmo com um ano de 2018 repleto de vitórias na categoria, as vendas tiveram uma queda em torno de 35%. Em 2019, a expectativa da entidade é continuar o bom trabalho, gerando benefícios, além de atrair o empresário para o sindicato e construir parcerias duradouras com os órgãos que regulam o trânsito. “Nosso número de associado está muito satisfatório, em relação aos outros anos cresceu muito. Temos mais de 60% das empresas da cidade que estão no sindicato, é um número muito bom. Estamos procurando fazer novos projetos para que possamos trazer benefícios para a nossa categoria”, informa. Um desses projetos é trazer uma linha de incentivo para que o cidadão de baixa renda possa tirar sua CNH e andar dentro da lei.

A ideia é trazer um preço público, mais acessível, que trará mais alunos aos centros de formação de condutores. “Estamos trabalhando na intenção de montar o projeto da CNH social, que é uma habilitação custeada para que tenha um desconto especial, funcionaria da seguinte forma: 60% do valor do processo de obtenção da CNH seria subsidiada pelo governo e o restante do valor o candidato pagaria na autoescola. Já existe um projeto na Câmara Federal, estamos trabalhando para que ele ande e seja aprovado o mais rápido possível”, destaca o presidente do Sindiauto, Francisco Loiola.

Francisco ressalta ainda que agora a missão é se reunir com a direção do Detran_DF para estreitar os laços, objetivando o crescimento da educação no trânsito, trazer a população para junto dos centros de formações.

//O Sindicato

O sindicato das Auto e Moto Escolas e Centro de Formação de Condutores do Distrito Federal (Sindauto-DF) luta constantemente para melhorias no setor de autoescolas na capital do País. Uma das prioridades da entidade nos últimos anos foi a implementação da biometria que consiste na coleta por meio informatizado de digitais, imagem e assinatura, com o objetivo de melhorar a segurança na hora de tirar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A entidade também conquistou vitórias importantes nos últimos anos como a não obrigatoriedade dos veículos de autoescolas na cor branca, e a desburocratização na entrega dos processos aos instrutores no dia da banca de direção.

Entre em contato.