fbpx

CNC revisa de 6,1% para 5,7% projeção de queda do PIB em 2020

Apesar do tombo histórico de 9,7% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (01/09) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) revisou a previsão de retração do PIB de 6,1% para 5,7%, em 2020. Mesmo diante do ainda elevado grau de incerteza em relação à superação da crise provocada pelo novo coronavírus e às reformas, pesou na projeção da CNC o ritmo de recuperação da atividade econômica, que tem surpreendido positivamente.

De acordo com o presidente da Confederação, José Roberto Tadros, a queda do PIB ficou dentro do esperado. “Indicadores referentes ao segundo trimestre já apontavam uma deterioração significativa do nível de atividade econômica a partir de abril”, afirma, acrescentando que “a retração econômica inédita no País se alinha ao comportamento da economia observado em outras importantes regiões do mundo, como a Zona do Euro (-12,1%), o Reino Unido (-20,6%), os Estados Unidos (-9,1%), a Rússia (-9,9%), o Chile (-13,6%), o México (-19,0%) e a Índia (-23,9%)”.

Embora o Brasil sustente, hoje, a menor taxa básica de juros da história, a reação econômica tende a se dar menos pela via da expansão da política monetária do que pelo estímulo fiscal, indica a CNC. “A prorrogação do auxílio emergencial, ainda que com um tíquete menor, e a irrigação dos programas voltados ao resgate da sustentabilidade financeira das empresas tendem a cumprir um papel mais determinante na economia, no restante do ano”, conclui Tadros.

Para o economista da CNC Fabio Bentes, o comportamento da atividade econômica a partir de maio, apesar de negativo, revela um processo de reação do nível de atividade. “A economia cresceu 1,6% em maio e 4,9% em junho, segundo o IBC-Br, calculado pelo Banco Central”, destaca.

Serviços e consumo

Pela ótica da produção, a indústria (-12,3%) foi o segmento que mais sentiu os efeitos da pandemia de covid-19. O setor de serviços também registrou queda recorde (-9,7%), influenciado pelo desempenho das atividades de transporte (-19,3%) e pelo comércio (-13,0) – atividades diretamente afetadas pelas medidas de isolamento social e pela consequente diminuição da circulação de pessoas.

No lado da demanda, os investimentos desabaram (-15,4%), assim como as despesas de consumo das famílias (-12,5%). “A disponibilização do auxílio emergencial evitou uma queda ainda maior do consumo das famílias, uma vez que a massa real de rendimentos teria retrocedido 8,2% e não 5,6% como, de fato, ocorreu”, indica Bentes.

FONTE: CNC

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de política de cookies e  para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher os tipos de cookies que permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.