fbpx

Superendividamento e finanças pessoais

por acm

O endividamento crônico ou superendividamento das famílias brasileiras tem origem em fatores como a baixa renda, o desemprego e o consumo inconsciente, motivos que devem ser tratados, com ênfase, por meio de políticas voltadas para o bem estar e a recuperação da dignidade e da cidadania de pessoas que se encontram em situação financeira desequilibrada. Geralmente, essas dívidas têm como nascedouro o cartão de crédito, avança-se para o cheque especial, financiamentos em geral, empréstimos com parentes, amigos e agiotas, o que acaba se transformando em uma bola de neve.

O superendividamento pode ser considerado como a impossibilidade global de o devedor pessoal física e/ou jurídica pagar todas suas dívidas atuais e futuras, que podem envolver produtos ou serviços. Educação financeira e a mudança de comportamento são os primeiros passos para se livrar deste problema.

Convém diferenciar endividamento de superendividamento. O primeiro são as despesas dentro do poder de pagamento, ou seja, aquilo que foi comprado, bens ou serviços, que podem ser pagos. Não é considerado um péssimo negócio e, em muitos casos, é melhor ter uma prestação e adquirir um bem durável que gastar o dinheiro sem objetivo. Já o superendividamento são despesas fora do poder de pagamento, ou seja, não foram devidamente planejadas e não serão pagas. É o que causa o desequilíbrio patrimonial.
Para aqueles que não têm controle de suas finanças pessoais, é importante alertar que estar em uma situação de superendividamento leva a diversas situações de dificuldades, constrangimentos, exclusão social, empobrecimento, desespero e algumas vezes à morte.

Ao longo dos últimos anos a economia brasileira experimentou, ao mesmo tempo, forte crescimento de crédito e do endividamento das famílias. O volume de crédito do Sistema Financeiro Nacional passou de R$ 417,8 bilhões em janeiro de 2004 para R$ 1,71 trilhão em janeiro de 2011. Essa relação de crédito bancário/PIB passou de 24,3% para 45,5% no mesmo período. Grande parte desse crescimento foi impulsionada pela carteira de pessoa física, que, no início de 2004, representava somente 38% do crédito total e, em 2011, atingiu 45.9% do estoque ou o equivalente a R$ 787,7 bilhões.

A expansão do crédito, em um primeiro momento, gera uma sensação de prosperidade. Aumenta o consumo, a demanda por mão de obra em todos os setores, aumenta a oferta de emprego, os salários, a renda nominal e os investimentos; o que estimula os números do PIB, do emprego e da renda. Havendo sustentabilidade, a expansão de crédito gera prosperidade. Entretanto, sem sustentabilidade gera prosperidade artificial e, mais tarde, as duas principais consequências, endividamento e a inflação de preços.

Entre 2004 e 2011 ocorreu uma explosão de crédito. Contudo, atualmente, 62,5% das famílias brasileira estão endividadas, sendo 36,42% endividadas e sem condições de pagamento; 26,08% muito endividadas; e somente 37,5% não têm dívidas ou têm dívidas sobre controle e/ou com investimentos. Ou seja, o ingresso no superendividamento pode se dar por vontade própria, por não conhecer o mercado, ser levados por tendências e por suas armadilhas. Contudo, querer sair dessa situação depende somente de planejamento, mudança de comportamento, consumo consciente pessoal e familiar.

Ronalde Lins, economista, membro do Corecon/DF

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de política de cookies e  para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher os tipos de cookies que permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.