fbpx

Sempre Alerta

por acm

Experiente e empreendedor, Adelmir Santana comanda pelo quarto mandato a Fecomércio DF, expressiva entidade que representa 27 sindicatos. Ele garante que, apesar da retração, há saídas para toda a crise. Basta procurar nichos e não parar de estudar o mercado.

Nas manchetes de jornais, conversas de escritórios e papos informais o assunto do momento é a crise econômica que o Brasil tem atravessado. O cenário é de demissões, queda no faturamento e cortes nos excessos. Nem mesmo para quem sonhava com a estabilidade das carreiras públicas a situação está boa. Recentemente, o governo anunciou a suspensão dos concursos.

Empresários e comerciantes estão mais cautelosos. Para o presidente da Fecomércio DF, o ex-senador Adelmir Santana, a crise vem sendo realimentada pela dúvida. “Há um excesso de desconfiança. Fazemos uma pesquisa de Índice de Confiança do Empresário do Comércio do Distrito Federal (ICEC-DF) e está desesperador. O próprio empresário vai diminuindo as vendas, ficando sem estoque, sem disposição para alimentar a loja. Um processo de retro-alimentação”, avalia.

Em doze meses, esse índice de confiança caiu cerca de 31 pontos. “Hoje está abaixo de 100, nunca escala que varia de 0 a 200. Isso significa que estamos pessimistas. Esse também é o sentimento do consumidor. Taxas de juros elevadas, perspectiva de desemprego, alto índice de endividamento das famílias”, exemplifica.

Como superar a crise? Essa é a pergunta que todo mundo tem feito. “Se eu soubesse a técnica para driblar o momento, certamente aplicaria”, brinca     Adelmir. E logo complementa: “É necessário buscar nichos de mercado e estar atento à fidelização dos clientes”.

Nascido no Maranhão, Santana desembarcou em Brasília em 1964. Com talento nato para empreendedorismo, cursou Administração de Empresas e especializou-se em Gestão Estratégica para Dirigentes Empresariais, na INSEAD, em Fontainebleau, na França. Como empresário, ficou conhecido por consolidar a rede de Drogarias Vison. É casado com Maria José Santana há 44 anos, tem três filhos e seis netos.

Foi senador da República, entre 2007 e 2010, e deixou seu legado por ter sido relator da Lei do Micro Empreendedor Individual (MEI). Atualmente, está em seu quarto mandado na Fecomércio-DF, que desde 1970 representa 27 sindicatos patronais e é considerada a maior entidade do setor produtivo local, além de administrar o Sesc (que leva lazer, esporte e cultura para trabalhadores do comércio) e Senac (que oferece educação profissional).

Os setores representados pela Fecomércio são considerados os propulsores da economia brasiliense. Hoje, as áreas de comércio e serviços respondem por 93% do PIB privado do DF e por um milhão de empregos diretos na cidade. Em um bate-papo com a revista GPS Brasília, o empresário fala sobre os desafios do setor.

BRASÍLIA VISIONÁRIA

“Juscelino Kubitschek ter tido a coragem de interiorizar a capital do País já trouxe esse espírito empreendedor. Certamente nenhum país do mundo conseguiu mudar a capital em tão pouco tempo”, diz Adelmir. A cidade carrega a braveza de pioneiros que apostaram no sonho de JK. “Brasília é fruto de empreendedores natos. Pessoas não foram treinadas para isso. Mas tinham a intuição. Vieram pela oportunidade e muitos conseguiram se destacar”, analisa.

NOVO TEMPO

Enquanto no passado a maioria empreendia por necessidade, hoje, nasce um novo perfil. “Atulamente, o empreendedor também é técnico. Pessoas formadas, que estudam e se especializam para esse fim”. Para Santana, o Sebrae e as universidades exercem um papel fundamental para despertar esse interesse do mercado privado e lançar empresa júnior.

MIGRAÇÃO BSB-GO

É possível identificar uma migração de empresas da Capital para outros estados. O Sindiatacadista-DF teve uma perda significativa de empresas que operavam no DF, cerca de 500 abandonaram a região de março de 2008 até hoje. Uma das opções é o estado vizinho, Goiás, onde impostos são menores. “A ´guerra fiscal´ prejudica estados que são menos agressivos”, esclarece Adelmir. “O GDF está buscando uma alternativa para fortalecer os atacadistas locais”, acrescenta.

ECONOMIA CRIATIVA

“Certamente, é o caminho para encarar a crise”, enfatiza Adelmir. Segundo estudo da Codeplan, a economia criativa emprega 22 mil profissionais, cerca de 1,5% na mão de obra formal. Sem definição precisa, esse segmento é composto por setores como arte, cultura, moda, decoração, gastronomia e novas mídias.

MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

O Distrito Federal hoje soma mais de 285 mil empresas, sendo 92,6% micro e pequenas. “O governo atento para essa massa, criou a figura do empreendedor individual”, diz Adelmir. Esses trabalhadores buscam a regularidade de suas atividades. “Temos o ganho econômico, pois essas pessoas passam a ter CNPJ, acesso a banco, cartão de crédito; o social, pois podem dizer que são empreendedores; e o mais importante, o aspecto previdenciário”, destaca. Adelmir comenta ainda que a classe tem peso significativo na geração de empregos. “Elas representam 55% dos empregos”.

MORTALIDADE DAS EMPRESAS

A orientação antes de abrir o próprio negócio é buscar ajuda especializada. “Vivemos um momento em que a mortalidade das empresas no Brasil, em especial micro e pequenas empresas, chega a ser muito elevada em um espaço curto. A média antes era que 70% morriam antes do segundo ano, hoje a perspectiva vai até o quinto ou sexto ano’, aponta. O Senac e o Sebrae trazem oportunidades para esses empreendedores. Aos que já abriram as portas sem essa ajuda, Adelmir aconselha: As instituições podem oferecer o papel de suporte. A busca pela melhoria é contínua”.

MAIORES ERROS

Para Adlemir o empresário peca ao se acomodar, pois o mercado é extremamente agressivo. “Em qualquer atividade que você exerce, se você não evolui, vem a concorrência e traz essas inovações.”. Para ele, o empresário erra ao não buscar esse constante aperfeiçoamento. Outra falha ressaltada pelo especialista é que muitos empresários só procuram ajuda quando as empresas estão na UTI, ou seja, quando já não estão bem.

EMPREENDEDORISMO X SERVIÇO PÚBLICO

Chamada de cidade administrativa, Brasília tem enraizado o funcionalismo público. “Logo, grande presença da massa salarial que circula no DF é desse público, o que faz com que a cidade tenha uma alta renda per capita. E esse dado desperta o interesse de empreendedores”, aponta Adelmir. Porém, a vivência familiar e cultura da cidade faz com que muitos jovens com potencial no empreendedorismo optem pelo setor público.

 


 

DICAS DO PRESIDENTE PARA O EMPREENDEDOR ENFRENTAR A CRISE

Ajuste as contas

Se for possível, não se endivide ou, pelo menos, procure financiamentos com taxas de juros menores. Renegocie suas dívidas e economize onde puder.

Faça a diferença

Procure se estabelecer no mercado sempre de uma maneira diferenciada. Por exemplo, por meio de um preço mais atrativo, mais qualidade no serviço e melhor atendimento.

Invista em capacitação

Um dos caminhos para o sucesso, em qualquer área, é não para de estudar. Estude e promova treinamentos constantes para a sua equipe.

Ocupe os nichos

Diversos segmentos ainda são pouco explorados. Alguns públicos específicos possuem necessidades particulares e atender a essas demandas pode representar um diferencial competitivo.

Conheça seu cliente

Em um cenário de retração econômica, é ainda mais importante pesquisas os interesses dos consumidores e saber quais são seus hábitos e preferências de consumo.

Encante o consumidor

Transforme a compra de um produto ou a visita à empresa em uma experiência mais do que agradável. Ofereça mimos. Pode ser um café, um suco ou um espaço para descanso e lazer, as opções são inúmeras.

Ajuste o ambiente

A sua loja ou empresa deve possuir instalações agradáveis e adequadas à áreas de atuação. Espaços bonitos e decorados atraem mais clientes.

Compartilhe experiências

Uma estratégia muito utilizada hoje para reduzir gastos tem sido a utilização conjunta de espaços e ferramentas por diferentes empresas. A troca com outros empresários também pode facilitar a superação de desafios e o fortalecimentos do mercado.

Comunique-se

O chavão “a propaganda é a alma do negócio” nunca esteve tão evidente, com o diferencial de que atualmente os empreendedores podem utilizar canais praticamente gratuitos de comunicação e marketing. Aproveite as redes sociais para impulsionar a empresa e estreitar o diálogo com os clientes.

Artigo publicado na Revista GPS Brasília, edição de Dezembro.

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de política de cookies e  para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher os tipos de cookies que permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.