fbpx

Problemas recorrentes

por acm

ADELMIR SANTANA
Presidente da Sistema Fecomércio-DF (Fecomércio, SESC, SENAC e Instituto Fecomércio)

Há pelo menos 10 anos o Comércio brasiliense convive com os mesmos problemas estruturais. É o caso da falta de estacionamento e da difícil regularizado dos puxadinhos. Algumas questões são até mais antigas, como o abandono da W3 – que já vem de mais de três décadas a pirataria, a falta de alvarás de funcionamento e a insegurança pública e jurídica. Nesse período, muitos gestores se alternaram na condução do Governo do Distrito Federal. Mas, efetivamente, poucas soluções saíram do papel de forma a resolver esses conflitos. O grave, agora, é que todos esses entraves se acentuaram e novos obstáculos surgiram para dificultar ainda mais a nossa economia.

Não por acaso, o que mais se vê hoje em Brasília, no Comércio de rua, são lojas fechadas. Essas condições estruturais degradantes, combinada com aluguéis caros e uma crise econômica, têm levado boa parte dos pequenos empresários à falência. A situação é tão dramática que muitos têm dito, de forma bastante irônica, que a franquia que mais cresce no Distrito Federal chama-se “passo o ponto”. Estabelecimentos que poderiam estar empregando, em média, cinco pessoas cada, estão sendo fechados e obrigados a dispensar os seus funcionários. Alguns estão até mesmo mudando de cidade. Com isso, o consumidor perde opções de serviços, o trabalhador perde oportunidades de emprego e o Estado perde receita. Toda a sociedade sai prejudicada.

O que mais nos surpreende é que não são problemas impossíveis de serem resolvidos. É óbvio que essas questões não se resolvem da noite para o dia, mas existem soluções. No caso dos puxadinhos, por exemplo, simplesmente prorrogar a lei não vai adiantarem nada. Essa é a quinta prorrogação. Isso, por si só, já revela que essa legislação foi mal construída, pois não tem aplicabilidade. Acredito que o momento é oportuno para rever essa matéria e construir um projeto de lei que seja factível. Em conversas recentes com o administrador de Brasília, Igor Tokarski, e Com o Secretário Adjunto de Estado de Relações Institucionais e Sociais do DF, Manoel Antônio Vieira Alexandre, ambos mostraram a vontade do governo em construir um novo projeto com diretrizes aplicáveis. Esse é o caminho. O Estado precisa criar facilidades e não dificultar a vida das pessoas. Falta, sobretudo, incentivo para o empresário do Comércio e ações de combate a qualquer tipo de informalidade.

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de política de cookies e  para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher os tipos de cookies que permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.