fbpx

Comércio do Distrito Federal perde 199 estabelecimentos no primeiro trimestre de 2017

comercioO Distrito Federal foi a 13ª unidade da Federação que mais perdeu lojas no comércio varejista com vínculos empregatícios durante o primeiro trimestre de 2017, aponta levantamento divulgado pela Fecomércio-DF. Entre estabelecimentos abertos e fechados, a capital da República apresentou um saldo negativo, com perda de 199 estabelecimentos durante os três primeiros meses do ano. Apesar do número elevado, o índice ainda é menor do que o que foi apurado no mesmo período de 2016, quando a capital da República registou um saldo negativo de -936 estabelecimentos.

Na comparação nacional, todos os estados brasileiros apresentaram saldo negativo, sendo que em todo Brasil o varejo perdeu 9,965 mil empreendimentos entre janeiro e março deste ano. Já nos primeiros meses de 2016, o saldo foi bem maior: registrando uma índice desfavorável de -37,179 mil empreendimentos. Na opinião do presidente da Fecomércio, Adelmir Santana, os números mostram que o pior da crise econômica ficou para trás e o comércio vem se recuperando gradativamente. “Começamos a perceber sinais de que o pior já ficou no passado. Apesar dos saldos entre empresas abertas e fechadas serem negativos, nada se compara aos recordes desfavoráveis registrados em 2016”, explica Adelmir.

No âmbito do Distrito Federal, o presidente da Fecomércio explica que as vendas aos poucos começam a dar sinais positivos. “No mês de maio, o comércio brasiliense registrou crescimento de 3,85% nas vendas”, informa Adelmir. Ele destaca ainda que o comércio de Brasília está mais otimista e acreditando em um ano com mais vendas do que nos últimos períodos. “O Índice de Confiança do Empresário do Comércio do DF cresceu em junho, fixando-se em 107,3 pontos. O resultado representa o quarto mês seguido acima da zona de indiferença, que é de 100 pontos. Na comparação com 2016, o índice teve alta de 25 pontos, o que realmente mostra que os empresários estão mais animados com as condições atuais da economia”, conclui.

A região do Brasil que mais perdeu lojas do varejo foi o Sudeste, com -5,004 mil de saldo negativo. A pesquisa mostra ainda que o estado de São Paulo foi que mais perdeu lojas na região, com redução de  -2,497 mil estabelecimentos, seguido por Rio de Janeiro (-1,833 mil), Rio Grande do Sul (-815), Paraná (-681) e Santa Catarina (-536). O estado que registrou menor retração no número de estabelecimentos foi o Acre, com o saldo de -1 uma empresa fechada durante os primeiros meses do ano. Os segmentos que apresentaram o pior índice entre lojas abertas e fechadas, nacionalmente, foram: hiper e supermercados (-3,779 lojas fechadas), vestuário e calçados (-1,733) e artigos de uso pessoal e doméstico (-1,205).

Abertura líquida de estabelecimentos do varejo no DF

(Saldo entre abertura e fechamento de empresas)

1º Trimestre de 2016: -936

2º Trimestre de 2016: -598

3º Trimestre de 2016: -614

4º Trimestre de 2016: -244

1º Trimestre de 2017: -199

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de política de cookies e  para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher os tipos de cookies que permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.