fbpx

A crise e as greves

por acm

Adelmir Santana
Presidente cio Sistema Fecomércio DF (Fecomércio, Senai, Senac e Instituto Fecomércio)


O Brasil vive a pior crise dos últimos 20 anos. Em um momento de profundas dificuldades políticas, econômicas e sociais, engana-se quem pensa que somente o Executivo está metido nesse atoleiro. Culpados ou não, o problema agora é de todos. E por todos, refiro-me também aos poderes Legislativo e Judiciário, aos servidores públicos, ao setor produtivo e aos demais trabalhadores. É óbvio que os responsáveis por terem enfiado o País nesse buraco devem ser responsabilizados, não se trata de ignorar isso. Mas se nós não começarmos a lidar com a crise coletivamente, ficará impossível sair dessa situação.

Não faz sentido, por exemplo, que algumas categorias do serviço público façam paralisações por reajuste em um momento em que os governos não estão conseguindo sequer arcar com a folha de pagamento atual. Isso vale tanto para o caso de Brasília, quanto para o governo federal. Não sou contra as greves, todo trabalhador tem o direito de reivindicar melhorias, mas há uma incongruência grande em querer aumento, mesmo que merecido, na hora em que o País está quebrado. De onde virá o dinheiro? A conta não fecha.

Na iniciativa privada, o governo está flexibilizando leis trabalhistas, por meio da MP 680, para que as empresas reduzam a jornada de trabalho ao invés de demitir. Por mais plausíveis que sejam as justificativas, os aumentos salariais não são viáveis. O foco é salvar os empregos. Em 2011, para sair da crise os Estados Unidos congelou o salário dos servidores por até três anos. Isso não precisa ser feito no Brasil, mas temos que refletir sobre essa postura. Da mesma forma, nenhum aumento de imposto é bem vindo antes que se faça um esforço real para reduzir os gastos públicos e os privilégios, o Congresso, a Câmara Legislativa e as demais assembleias também precisam cortar na carne e eliminar mordomias, assim como o Judiciário. Ou alguém ainda acha razoável deixar a torneira aberta enquanto está faltando água?

Publicado no Jornal de Brasília e no Jornal Alô Brasília, 21 de Setembro de 2015.

Olá! O nosso site usa cookies e, portanto, coleta informações sobre sua visita para melhorar nosso site. Por favor, consulte nossa página de política de cookies e  para mais detalhes ou concorde clicando no botão 'Aceitar'.

Configurações de cookies

A seguir, você pode escolher os tipos de cookies que permite neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalNosso site usa cookies funcionais. Esses cookies são necessários para permitir que nosso site funcione.

AnalyticalNosso site usa cookies analíticos para permitir a análise de nosso site e a otimização para o propósito de usabilidade.

Social mediaNosso site coloca cookies de mídia social para mostrar conteúdo de terceiros, como YouTube e Facebook. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

AdvertisingNosso site coloca cookies de publicidade para mostrar anúncios de terceiros com base em seus interesses. Esses cookies podem rastrear seus dados pessoais.

OtherNosso site coloca cookies de terceiros de outros serviços de terceiros que não são analíticos, mídia social ou publicidade.