O valor concedido aos microempreendedores individuais (MEI) cresceu desde o início de 2017, passando de R$ 1,5 bilhão para R$ 1,7 bilhão ao longo de 2017, uma alta de 5,4% em relação ao trimestre anterior. É o que mostra o levantamento feito pelo Banco Central em parceria  com o Sebrae. O estudo apresenta um conjunto de dados inéditos sobre as condições de crédito para o MEI. A pesquisa ainda aponta que as taxas de inadimplência alcançaram o menor nível da série, chegando a 12,6% no final de 2017. Enquanto as taxas de juros também caíram, atingindo 63% no último trimestre, apesar de permanecerem em um nível elevado.

Ainda de acordo com o levantamento, quando se analisa a distribuição geográfica das operações de crédito, é possível verificar que ela segue a própria distribuição dos microempreendedores individuais pelo País, que estão concentrados nas regiões Sudeste e Sul. Em conjunto, essas regiões são responsáveis por mais de 70% do total de operações de crédito e também dos valores emprestados.