Com nova presidência, Sindicato dos Fotógrafos lutará para regulamentar a profissão

Há quatro meses à frente do Sindicato dos Fotógrafos e Cinegrafistas do DF (Sinfoc-DF), o presidente Hélio Queiroz acumula boas expectativas para a entidade e muito trabalho. As metas já estão traçadas e a categoria agora batalhará de vez para fomentar o segmento de fotografia no Distrito Federal. Entre os objetivos da nova presidência para o mandato válido até 2022 estão: a regulamentação da categoria, a criação de uma carteira profissional sindical e um projeto para valorização e respeito aos trabalhos autorais, além de criar eventos que engrandeçam a profissão.

Queiroz 02Hélio destaca que o período à frente do sindicato ainda é curto, mas a gestão está com uma visão bastante positiva. Segundo o presidente, seu antecessor tinha a visão da união, quando vários profissionais foram aproximados da entidade. Agora, é aproveitar as coisas boas que foram feitas e investir em novas, diz Hélio. “Os sindicatos agora vivem uma nova realidade sem a contribuição sindical obrigatória, isso muda muito. Agora, teremos, de fato, mostrar mais serviços e esse é o nosso papel”, salienta.

O Sindicato foi criado em 12 de abril de 1988, quando o então Ministro do Trabalho, Almir Pazzianotto Pinto, assinou a carta Sindical. O primeiro presidente da entidade foi o fotógrafo José Barros do Amarantes que lutou para a criação da entidade para representar a classe. Hoje, a principal luta da entidade e da nova gestão é a de que a profissão de fotógrafo seja regulamentada.

 “Acredito que a missão mais importante que temos é a questão de aprovar a regulamentação da nossa categoria. Existe um projeto de lei que tramita há 14 anos, já estamos trabalhando para dar andamento a essa pauta”, disse. Segundo Hélio, a expectativa é que até o final do ano o PL seja aprovado e a profissão regulamentada. “Se a lei for aprovada poderá uma série de benefícios que hoje o fotógrafo não tem de direito, até por não ser uma profissão regulamentada”, informa.

Outro ponto que será bastante intensificado na gestão de Hélio é o direito autoral das fotos. Segundo o presidente eleito, atualmente o fotógrafo profissional tem passado por um momento delicado quanto à pirataria de conteúdos intelectuais, principalmente as fotografias. “É muito fácil qualquer pessoa pegar uma foto, modificar tanto a ponto de nem mesmo o fotógrafo que fez o trabalho, consiga identificar. Por isso, a ideia é trabalhar um sistema em que os profissionais possam registrar seus trabalhos para que, em eventuais apropriações indevidas de conteúdo, o sindicato possa trabalhar judicialmente em prol do fotógrafo”, explicou.

No mês de setembro deste ano, o Sinfoc promoverá a maior amostra de fotografia do DF, programada para ocorrer no Minas Hall, um espaço com três mil m². A amostra será em um molde de concurso, onde 58 fotógrafos concorrerão em três categorias: amador, veterano e contemporânea. “As fotos serão expostas no salão do Minas Hall e terá três níveis de votação para escolher os melhores, a primeira vai ser feira por um corpo de jurados de determinadas áreas, outro voto pela internet e outro aberto ao público que estará no evento”, explica Hélio. “A intenção é de incentivar a fotografia em todo o DF.” O ganhador de cada categoria receberá um prêmio de R$ 5 mil.

O sindicato também está estabelecendo parcerias, uma delas é com o Sindicato das Empresas de Promoção, Organização, Produção e Montagem de Feiras, Congressos e Eventos do DF (Sindeventos). A ideia é de oferecer suporte aos profissionais durante eventos de porte na capital da República. “Vamos realizar uma estrutura para o fotógrafo que está no evento trabalhando, seja ele sindicalizado ou não. O espaço terá internet, água e cadeiras. A intenção é mostrar que o sindicato oferece serviço para a categoria”, diz Hélio.

Entre outras lutas, a criação de uma carteira profissional desses trabalhadores é prioridade para o sindicato. “Estamos trabalhando para que o fotógrafo possa ter sua carteira profissional sem necessitar diretamente da Federação dos Jornalistas. A intenção é criar uma carteira sindical, com poder de identidade”, disse.

Outro aspecto que ganhará destaque para o sindicato, é a intensificação do trabalho de parceria com a Federação do Comércio, informa Hélio. “Eu renovo por mais quatro anos na diretoria da Fecomércio e o pensamento será o mesmo: mostrar serviço, é justamente esse objetivo que o presidente Adelmir Santana passa para a diretoria. Gastar menos com maior eficácia”, destacou.

Entre em contato.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt